Clube do livro

Aprender a falar com as plantas – Marta Orriols

Paula acredita que tem a rotina controlada: um relacionamento que já dura quinze anos, um trabalho como médica neonatologista, com a responsabilidade da vida nas mãos. Mas essa realidade desaba quando seu companheiro confessa que tem outra mulher e, horas depois, sofre um acidente de maneira trágica e imprevisível. Agora, ela precisa aprender a lidar com o luto, com o rancor, com a inaptidão para novos afetos e com um apartamento repleto de plantas deixadas por alguém que representava o seu laço humano mais íntimo.

 

O livro traz reflexões sobre um duplo abandono. O luto é apenas uma das dores com as quais Paula precisa aprender a lidar. Além dele, vem o rancor com o choque da descoberta da traição que irá reconfigurar todo o processo de luto que está sendo elaborado. É um livro do jeito que eu particularmente gosto: fluida, um tanto “dura”, mas poética e envolvente.

 

Paula embarca em jornadas extenuantes no trabalho, com plantões intermináveis, na tentativa de se manter sã e não precisar lidar com a dor da perda. Agarrar-se à vida como resposta contra a sombra da morte.

 

Por um longo período Paula sustenta para os familiares e amigos a imagem do relacionamento sólido, interrompido apenas pela morte.

 

Marta Orriols insere no livro um roteiro que parece ser um padrão a ser seguido de acordo com aqueles que observam e acompanham o luto alheio. O interessante é como a protagonista, Paula, busca rechaçar esses lugares comuns, questionando e negando o vazio dos discursos e provando que não há padrão no luto.

 

Além disso, a autora narra com muita sensibilidade dois temas universais e por vezes, tabus: a traição e o luto. Se, por vezes, estas parecem questões trabalhadas à exaustão, o principal êxito está na maneira como se esquiva do sentimentalismo e dos lugares comuns.

 

No livro podemos observar capítulos onde a personagem parece conversar consigo mesma e em outros, constrói um diálogo unilateral com o companheiro morto. É justo aqui que residem os momentos mais tocantes da narrativa, ao dizer do afeto e do cotidiano compartilhado. A obra exala maturidade. Orriols tem um domínio muito maduro da narrativa, assim como seus personagens tem uma consciência da própria maturidade de forma sensível e indelével.

 

Uma das coisas que mais gostei no estilo da autora foi o detalhismo em algumas passagens. É muito potente porque constrói a cena em imagens muito vívidas na mente do leitor, como se ela nos colocasse no mesmo ambiente que os personagens.

Colunista

Avalie o post!

Incrível
0
Legal
2
Amei
0
Hmm...
0
Hahaha
0
Hannah Riff
Graduada em direito. Advogada licenciada OAB/PE. Assessora de membro do Ministério Público de Pernambuco. Graduanda em Psicologia pela Faculdade Pernambucana de Saúde. Estagiária do IMIP. Leitora por paixão. Parte dessa foz, o rio da leitura, corre em mim desde cedo. Leio porque entendi que as palavras também nascem da coragem de sentir. Esse lugar assustador e mágico de estar vulnerável e por isso, deliciosamente humano. Ler, para mim, é estender uma ponte até o peito. Fazer do papel um espelho. O percurso é entregar-se a cada página, a um sentir, a algo sentido. Espero nessa jornada poder dividir um pedaço desse amor e dessa entrega com vocês também.

    Você pode gostar...

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    4 + 16 =