Clube do livroJuridicamente

A pediatra

A pediatra
Andréa Del Fuego
Companhia das Letras, 159 páginas

 

Cecília é uma pediatra que não gosta de crianças. Filha de médico apaixonado (e vocacionado), ela se limita ao que de essencial envolve sua atividade, encaminhando a colegas especializados os casos minimamente mais complexos. Na vida pessoal, o casamento desmorona sem abalar os alicerces do apartamento no bairro nobre de São Paulo. Indiferente à dor dos pacientes, só duas coisas parecem tirar o norte de Cecília: partos humanizados e Bruninho – o filho do seu amante que ela ajudou a vir ao mundo e que serve de fio condutor à última terça-parte do livro, que se encerra em um final digno de novela.

O livro possui uma premissa insuportável e uma narrativa primorosa. A pediatra, que trata crianças com a indiferença de quem pesa um pedaço de carne no mercado, é construída em cores tão vivas e lancinantes que a leitura se torna quase compulsiva. Cecília é detestável, mas é através de seus olhos que o leitor recepciona uma crítica contundente a valores sociais frívolos que nunca estiveram tão na moda. Por isso, não raras vezes o mundo externo é matizado pelo jaleco, pelo carro importado, pela localização do apartamento, pelo movimento de inferiorização do outro.

Terceiro romance da vencedora do Prêmio Saramago (por ‘Os Malaquias’), ‘A pediatra’ é assustadoramente bem construído, inclusive nos pontos de sombra: a personalidade de Cecília, no que não se deixa ver, sugere ser ainda mais inquietante do que o que se revela (como uma espécie de iceberg). Ficção nacional contemporânea da melhor qualidade.

“A mãe não viu o filho nem vivo nem morto, estava ainda sedada quando a secretária me telefonou. Já estão tomando as providências, dr. Paulo pediu para te avisar. Minha secretária sempre se impressionava com óbito e me olhava como se eu pudesse ressuscitar alguém, a medicina é milagrosa para quem não a pratica.” (p. 40)

Colunista

Avalie o post!

Incrível
0
Legal
3
Amei
0
Hmm...
0
Hahaha
0
Renato Dowsley
Mestre em Direito pela Unicap. Membro da Associação Brasileira de Direito Processual (ABDPro) e da Rede Brasileira Direito e Literatura. Advogado.

    Você pode gostar...

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    dezessete − 5 =